quinta-feira, 25 de setembro de 2008

O último sábado do inverno

O Último Sábado do Inverno

Oi, meu nome é Drê, e há muitos anos eu vivo num lugar fechado e escuro. Na verdade, nunca conheci o lado de fora.
Eu fico imaginando como lá deve ser lindo. Aqui de dentro, dá para ouvir as pessoas passando lá fora, sorrindo, felizes, dizendo ‘eu te amo’, recebendo flores...
Flores? O que é isso? O dia que eu sair daqui, vou querer receber muitas flores. Dizem lá fora, que é uma coisa cheirosa, mas o cheiro, eu desconheço.
Pelo o que dá para escutar daqui de dentro, sei que existem dias, meses, anos, que a cada ano, passamos por quatro estações diferentes.
Sei que lá de fora, as pessoas conseguem enxergar, pois é tudo claro.
Eu ficava pensando: Como será que eu sou? Será que alguém tentará abrir a porta deste lugar tão escuro?
Sabe... Já bateram aqui na porta algumas vezes, mas não tiveram força pra abri-la.
Eu tento sair daqui todos os dias, mas, é impossível. Aporta só pode ser aberta pelo lado de fora.
E no último sábado de inverno, eu ia perdendo as minhas forças e começando a desistir de sair. Até que eu sinto algo perto de mim. Meu Deus! Será que é alguém? Como alguém conseguiu entrar assim, tão silenciosamente, sem bater? E de repente, sinto algo se encostando a mim. Era alguém! E estava me dando a mão.
E enquanto me dava a mão, seus olhos brilhavam e iluminavam todo o lugar, olhei para os lados e as paredes todas eram de espelho, então, pude ver aquela cena de vários ângulos e também pude me conhecer e descobrir o quanto sou linda.
Então, eu conheci as cores e gostei muito da cor dos olhos dele.
Ele ficou iluminando por lá, o sábado inteiro, como foi bom. Me ensinou muitas coisas que eu não conhecia, me falou que meu cabelo é lindo, que eu sou linda, que minha pele é macia como a de um bebê, me mostrou o que é cheiro quando me deu uma flor, e enquanto estávamos de mãos dadas, tudo ficava iluminado.
Fiquei tão alucinada com o que estava acontecendo, que me esqueci da minha vontade de sair daqui, e quando lembrei, disse a ele:
- Quero sair daqui.
E como eu não tinha forças, ele me pegou no colo e me levou em direção a porta. Eu senti que estávamos chegando, mas, não sei o que aconteceu, ele ficando fraco, sei lá! Eu caí no chão, nossas mãos se soltaram, tudo ficou escuro, tentei procura-lo pra lhe dar as mãos e iluminar meu caminho, mas, eu o perdi. Então, ele foi embora, e foi embora sem mim.
O sábado acabou o inverno também, a primavera chegou, e eu continuo aqui, trancada, no escuro, esperando ele voltar.
Foi muito bom conhecer a luz, as cores, o cheiro, mas durou apenas um dia, por que ele não teve força suficiente para me tirar daqui.
E aquele sábado, foi mais que especial, não foi apenas um sábado de inverno, foi:
O ÚLTIMO SÁBADO DO INVERNO.
Drê de Araújo

14 comentários:

KAROL disse...

vem cá voce vive mesmo assim ou isso é só uma metáfora??

bjo flor!!

Lu disse...

Ás vezes é dificil sair de dentro desse universo frio que a gente mesmo cria, né?
Fooorça!

Bonito texto. Deveria investir mais nesse estilo ;)


beijão e bom fds.

Sammyra Santana disse...

ai que lindooo!

parece um anjo passou pelo seu blog, leu o último post e ouviu suas preces, não foi? hehehe

Beijinho

Lu disse...

Tem selinho pra vc lá no Contos e Confissões!

Beijão

Robs disse...

Caramba...que texto maravilhoso e faço a mesma pergunta da karol...

Beijos e bom fds!!

Bruno R.Ramos disse...

Lindo blog. Muito harmônico e de boas idéias.

www.brunoadult.blogspot.com

abutre236 disse...

Huuummmmm........

Isso deve ser uma referência para algum encontro especial que realmente aconteceu, não é?

Espere pelos noites de verão, deve ser melhor.

tchau.

Tainá-O-Rama disse...

Valeu :)


Ali tem uma opção "Usar esse widget no meu site"

É fácil, fácil.

Beijos!

Gaia disse...

Drê, pensei que no final iria conseguir sair desta escuridão, espero que ele volte e mais forte ...fala pra ele ir pega uns pesos numa academia :P
Mas acredito que esta escuridão logo terá um fim, pois a primavera é luz, é sentidos, é amor.

Ah, e obrigado pela visita em meu Blog, e sobre o texto sim é de minha autoria, eu que os escrevo ^^

Beijos!

Luana H. disse...

Hahaha...quando postar o selo me avisa!

Sim, tenho andado meio sumida. Muita coisa pra fazer...tô pirando!!...hehe


Beijão, querida.

Bruno R.Ramos disse...

Oi,
Estou montando um projeto de edição de uma antologia de contos e crônicas. Se você se interessar em conhecer o projeto entre em contato comigo no e-mail; brunoteenager@gmail.com

Site do projeto:
www.novacoletanea.blogspot.com

Sammyra Santana disse...

que historia interessante...
parece mesmo ter saído daqueles livros de histórias que a vó senta na cadeira de balanço e começa a contar rpa todo mundo ouvir boquiaberto... rs

Beijo

Veiga disse...

tu some, hein...

libriano_cba disse...

xii, parece aquela história do pessoal q viviam embaixo da metrópole e só viam as sombras de td aquela agitação... mt bom
Eae qndo q vai atualizar o blog? rss

T+
Abraços
Tenha uma ótima semana!!